sábado, 18 de março de 2017

Documentários brasileiros em Competição no Cinéma du Réel 2017


No Intenso Agora (2017)
de João Moreira Salles
Martírio (2016)
de Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho e Tita 

Comentário: Mate-me Por Favor (Anita Rocha da Silveira, 2015)

No contexto da cinematografia brasileira esta primeira longa-metragem tem alguma originalidade. Não por incidir sobre adolescentes, mas por enveredar por um thriller sobre um crime pouco abordado no cinema brasileiro: o assassino em série em contexto urbano. No bairro da Tijuca um grupo de adolescentes andam perturbados com a morte de várias jovens em terrenos abandonados perto da escola onde estudam. Mas essas mortes tanto assustam como fascinam as adolescentes, que tentam saber os pormenores do que aconteceu às vítimas. O retrato desta juventude carioca de classe média, média-alta, é impressionante de sugestão. Frívolos, hedónicos, conservadores, transgressores, misteriosos, assim são estes adolescentes que dançam e louvam a Deus ao som do baile funk e da dance music dos anos 80 (será realista este pormenor?). Se refiro a música é porque foi um dos elementos que mais agradaram no filme, que privilegia a música negra em várias das suas vertentes. Esta nova realizadora promete muito. Paris 3,5/5

domingo, 25 de dezembro de 2016

Comentário: Tudo que Aprendemos Juntos (Sérgio Machado, 2015)

Um jovem professor de música às voltas com uma turma problemática, num território (favela) mais do que problemático. Um filme sobre uma temática social quente, cheio de boas intenções, carente de boas ideias de cinema. Paris 2/5